Irlanda do Norte

Sim, a Irlanda do Norte é outro país e lindo, diga-se de passagem. É uma nação que faz parte do Reino Unido, porém é a única que não está situada na Grã-Bretanha. Então, aproveitamos a última semana da nossa amiga Sheila na Europa (porque a linda foi morar em Las Vegas), alugamos um carro, nos munimos com muita água e comida (afinal, não queríamos perder muito tempo parando para almoçar e, além disso, todos sabem que grana de intercambista é contadinha) e partimos conhecer mais um país. Quem embarcou comigo nesta aventura?? Os lindos William, Linda, Ricardo, Sheila e Fabi!

dsc_0811

Eu, William, Linda, Ricardo, Sheila e Fabi

GPS a mil, nossa viagem até lá foi de altas risadas, brincadeiras e paisagens lindas pelo caminho. E a primeira parada? Giant’s Causeway, a famosa Calçada dos Gigantes, que fica no Condado de Antrim (a entrada foi 9 libras, com direito a áudio guia).

A Giant’s Causeway é um conjuto de, aproximadamente 40.000 colunas prismáticas de basalto, resultado de uma erupção vulcânica ocorrida há cerca de 60 milhões de anos, e que se encaixam perfeitamente, formando uma enorme calçada. Mas é claro que existe um mito por trás disso tudo. Diz a lenda que existia um gigante irlandês chamado Finn McCool. Um dia, Finn estava fazendo suas tarefas diárias quando um gigante escocês chamado Benandonner começou a gritar insultos para ele. Finn era muito orgulhoso e ficou furioso por ser chamado de fraco, então pegou pedaços de pedras, trabalhou dia e noite, e construiu uma enorme calçada até o outro lado do oceano para poder, assim, destruir Benandonner. Ao atravessar a calçada e chegar na Escócia, Finn percebeu que o outro gigante era muito maior e mais forte que ele, então voltou rápido para a Irlanda. Mas já era tarde. Benandonner percebeu a presença de Finn e resolveu segui-lo. Finn encontrou sua esposa Oonagh e contou o que havia acontecido. Ela era uma mulher muito sábia, então vestiu o marido como um bebê. Quando Benandonner chegou para destruir Finn, viu a criança gigante e pensou: “-Se o bebê é deste tamanho, imagina o seu pai.” E saiu correndo, de volta para a Escócia, destruindo a calçada, para que Finn não fosse atrás. Os restos da calçadas deram origem a Giant’s Causeway. Existem, também, restos da calçada do outro lado da ilha, em Staffa. Lá elas são conhecidas como Hébridas Exteriores. E então? Em qual das duas versões  você prefere acreditar: formação vulcânica ou gigantes? (rsrsrsrs).

dsc_0866

Giant’s Causeway

dsc_0867

Giant’s Causeway

img_7011

Giant’s Causeway

Depois de comer um sanduíche, foi momento de conhecer a The Dark Hedges, um corredor de árvores de tirar o fôlego, em Ballymoney. O local foi cenário da série Game of Thrones e de muitas fotos maravilhosas. Claro que, para chegar lá, tivemos que pedir informação, mas quem nunca, né?

img_7156

The Dark Hedges – Fotografia William Douglas

img_7128

The Dark Hedges

Terceira parada, Ballintoy Harbour, que está situada num dos locais mais pitorescos da Irlanda do Norte, entre a Giant’s Causeway e a Rope Bridge, também no Co. Antrim. Ricardo, Fabi, Sheila e Linda decidiram conhecer e atravessar a Rope Bridge, enquanto que, William e eu, fomos desbravar a costa deste lugar que, com certeza, é um dos mais belos do planeta. Para minha surpresa, ao descer beira-mar, descobrimos que ali também foram gravadas cenas de Game of Thrones. O passeio rendeu registros incríveis.

dsc_1024

Ballintoy Harbour – Cenário de Game of Thrones

img_7242

Ballintoy Harbour – Essa é a minha foto preferida da viagem

Depois de conferir estes cenários maravilhosos, partimos rumo Belfast, a capital do país. Confesso que estava muito ansiosa para conhecer o Titanic Museum. Para quem não sabe, foi na Irlanda do Norte que o navio mais luxuoso e ‘seguro’ para sua época, foi projetado e construído. Projetado pelos engenheiros navais Alexandre Carlisle e Thomas Andrews, sua construção começou em março de 1909 e foi lançado ao mar em maio de 1911, com a promessa de ser inafundável. É um fato histórico tão importante para o país que não existe apenas um museu, mas sim um quarteirão inteiro, exatamente no local onde o navio foi construído. Como chegamos depois das 5 p.m., não conseguimos entrar, mas conhecer os arredores já valeu muito a pena.

img_7317

Titanic Museum

Nossa última parada foi uma feirinha de noivas (não que alguém aqui estivesse pensando em casar, mas…), no centro da cidade, afinal, já estava tarde e precisávamos voltar para Dublin. Nós tivemos muita sorte, porque não choveu em nenhum momento do nosso passeio e o dia estava lindo. Sobre a viagem, só tenho uma coisa a declarar: por mais lugares assim 

OBS: Se você quiser conhecer a Irlanda do Norte também e está em Dublin, minha dica é: alugue um carro. Assim você vai ter o tempo que quiser nos pontos turísticos e, se você juntar uma galera, sai baratinho. Caso não tenha como alugar, também tem várias empresas que fazer tur até lá.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s